Comissão Nacional da UNESCO

Ministério dos Negócios Estrangeiros

Dia dos Direitos Humanos

direitoshumanos3

Mensagem da Diretora Geral da UNESCO por ocasião do Dia dos Direitos Humanos

10 de dezembro de 2016

A 10 de dezembro, o mundo celebra o dia em que a Assembleia Geral das Nações Unidas adotou a Declaração Universal dos Direitos Humanos e proclamou os seus princípios como o “ideal comum a atingir por todos os povos e todas as nações”.

Todos os anos, o Dia dos Direitos Humanos constitui uma oportunidade para reavivarmos o espírito de longa luta da humanidade em prol dos direitos e da dignidade, e de nos mobilizarmos perante os desafios, antigos e novos, como a pobreza e as desigualdades, a violência, a exclusão e a discriminação.

Atualmente, em todo o mundo, milhões de mulheres e de homens abandonam as suas casas e põem a sua vida e a da sua família em risco em busca de um futuro melhor. As deslocações de populações sem precedentes afetam as sociedades em todas as regiões do planeta. Em todo o lado, os mais pobres e os mais marginalizados continuam a ser os que mais sofrem.

Esta situação é inaceitável e requer a ação dos governos e da comunidade internacional. Exige, sobretudo, que cada um de nós se mobilize na defesa dos direitos de outrem. É essencial para atingirmos os Objetivos da Agenda 2030 para o Desenvolvimento Sustentável e cumprirmos a promessa de não deixar ninguém para trás.

A UNESCO trabalha em todos os domínios com vista a dar a cada um, homem ou mulher, meios para defenderem os seus próprios direitos e os dos outros. A plena realização dos direitos humanos pressupõe o acesso de todos à educação, esta é a força mais poderosa de desenvolvimento humano, de respeito e de tolerância. Levamos a cabo ações para defender a liberdade de expressão e de informação e reforçar a segurança dos jornalistas; atribuímos a

maior importância à defesa do direito de cada mulher e de cada homem de participar na vida cultural e de se inspirar noutras culturas para melhor vivermos juntos; comprometemo-nos também a partilhar os progressos da investigação científica em benefício de todos.

Como dizia o grande Nelson Mandela:

“Porque ser livre não é apenas libertar-se das suas correntes; é viver de um modo que respeite e reforce a liberdade dos outros.”

Defender os direitos de outrem, é defender a nossa humanidade comum. Num mundo conturbado, esta solidariedade nunca foi tão importante, para celebrarmos a diversidade que enriquece as nossas vidas e defendermos os valores que nos unem. Esta ideia deve ser alimentada, partilhada e defendida por cada um de nós na sua própria vida, através do respeito mútuo, da compreensão e do diálogo. Desta forma, juntos fortaleceremos os fundamentos de uma sociedade mais inclusiva, pacífica e tolerante.

Irina Bokova