Foi aprovada, a 30 de outubro de 2019, a adesão das seguintes cidades portuguesas à Rede de Cidades Criativas da UNESCO: Caldas da Rainha - Cidade Criativa do Artesanato e Artes Populares e Leiria - Cidade Criativa da Música. De acordo com o regulamento da edição de 2019, foram selecionadas apenas 2 cidades por país, em domínios diferentes.

Caldas da Rainha é conhecida pelos seus produtos cerâmicos centenários que fazem parte da cultura e da identidade da cidade.  A indústria cerâmica remonta ao final do século XV, aproveitando os oleiros a qualidade das argilas locais para produzir artigos utilitários destinados à população e ao hospital. Já no século XIX, um dos artistas mais conhecidos, Rafael Bordalo Pinheiro (1846-1905), tornou-se famoso pelas suas ilustrações, caricaturas, esculturas e cerâmica. Atualmente, os antigos motivos naturalistas, figurativos e satíricos coexistem com o design contemporâneo e podem ser observados por toda a cidade, nos edifícios, lojas e museus.  Em 2018 foi criada nas Caldas da Rainha, na Escola Superior de Artes e Design do Instituto Politécnico de Leiria, a Cátedra Unesco de Artes e Gestão Cultural, Cidades e Criatividade, com o objetivo de promover um sistema integrado de investigação, formação, informação e documentação sobre as artes visuais, a gestão da arte e da criatividade, contribuindo assim para reforçar os setores criativos ligados ao artesanato e às artes populares.

Leiria é uma cidade onde a música esteve desde sempre presente no quotidiano de uma parte significativa da população. As crianças tomam contacto com a música desde muito cedo através de bandas filarmónicas, da música tradicional, dos coros escolares ou das academias de música e de dança. Além do desenvolvimento ao longo dos anos de iniciativas musicais, bandas pop e projetos culturais multidisciplinares, Leiria surge no panorama nacional e internacional na vanguarda dos projetos sociais e artísticos baseados na música que promovem a equidade social, a dignidade humana e a inclusão social. Esta capacidade de utilizar a música como um pilar central na construção do futuro tem permitido a Leiria alcançar um desenvolvimento sustentável baseado na música que beneficia todos os cidadãos.

A Rede de Cidades Criativas foi criada pela UNESCO em 2004 e procura desenvolver a cooperação internacional entre cidades (urbes) que identificaram a criatividade como um fator estratégico para o desenvolvimento sustentável. A Rede tem por objetivos fortalecer a criação, produção, distribuição e fruição dos bens culturais e serviços a nível local; promover a criatividade e expressões criativas, especialmente entre os grupos vulneráveis, incluindo mulheres e jovens; melhorar o acesso e a participação na vida cultural, bem como a fruição de bens culturais; e integrar as indústrias culturais e criativas em planos de desenvolvimento local.

As cidades criativas desenvolvem iniciativas mediante parcerias entre os setores público e privado, organizações profissionais, comunidades, sociedade civil e instituições culturais. Também facilitam a partilha de experiências, conhecimentos e recursos entre as cidades-membros em todo o mundo, como um meio para promover as indústrias criativas locais e fomentar a cooperação global para o desenvolvimento urbano sustentável.

 A adesão à Rede é enquadrada em sete temas: literatura, cinema, música, artesanato e arte popular, design, artes e media, e gastronomia.

Portugal passa assim a dispor de sete cidades inscritas na Rede de Cidades Criativas da UNESCO: Idanha-a-Nova - Cidade Criativa da Música e Óbidos - Cidade Criativa da Literatura (2015); Amarante - Cidade Criativa da Música, Barcelos - Cidade Criativa do Artesanato e das Artes Populares e Braga - Cidade Criativa das Artes Digitais (2017); Caldas da Rainha - Cidade Criativa do Artesanato e Artes Populares e Leiria - Cidade Criativa da Música (2019)

Saiba mais na página das Cidades Criativas da UNESCO

  • Partilhe