Comissão Nacional da UNESCO

Ministério dos Negócios Estrangeiros

Dia Mundial contra a SIDA

dia mundial contra a sida3

Mensagem da Diretora-Geral da UNESCO

Por ocasião do Dia Mundial contra a SIDA

1 de dezembro de 2017

Neste Dia Mundial contra a SIDA, a UNESCO e o Programa Conjunto das Nações Unidas sobre HIV/SIDA unem-se para apelar a um mundo onde todas as mulheres e homens consigam desfrutar da melhor saúde possível, livre de estigma e discriminação.

Por este motivo, temos que assegurar o direito à educação de qualidade para todos, já que dois destes objetivos – saúde e educação – são indissociáveis. Esta ligação está no centro da Agenda 2030 para o Desenvolvimento Sustentável e da Estratégia ONUSIDA 2016-2021.

Como delineado na Estratégia em Educação para a Saúde e Bem-Estar: Contribuir para os Objetivos de Desenvolvimento Sustentável da UNESCO, a saúde e a educação fortalecem-se mutuamente: alunos saudáveis aprendem melhor e alunos que receberam melhor educação são mais saudáveis.

A saúde e a educação são igualmente interdependentes. Sem o direito à educação não podemos atingir verdadeiramente o direito à saúde. Está provado que a educação depende em larga medida do estado de saúde dos educandos, assim como de outros fatores que o determinam, ou seja, os contextos de risco e a utilização de serviços de prevenção. Existem estudos que demonstram que os adolescentes que recebem uma educação sexual de qualidade, associada a um aconselhamento profissional, têm menos 40% de probabilidade de ter uma gravidez precoce e não desejada e mais 30% de probabilidade de completar o Ensino Secundário. Isto traduz-se em melhores resultados de saúde a longo prazo, incluindo uma redução significativa do risco de infeção por HIV, permitindo salvar milhares de vidas, tendo em conta que, todos os anos, em países em vias de desenvolvimento morrem mais de 70000 adolescentes por complicações relacionadas com a gravidez e o parto.

Num mundo em que os jovens – especialmente as raparigas e jovens mulheres – carregam um fardo excessivo de HIV e SIDA, todos temos que reconhecer o papel fundamental de uma educação sexual completa para o direito à saúde, e para a saúde de todas as sociedades.

Hoje, apelo a todos os parceiros para unirem esforços para erradicar a SIDA como risco para a saúde pública até 2030, como parte do nosso compromisso de promover o desenvolvimento sustentável, os direitos humanos, a igualdade de género e a justiça social.

Audrey Azoulay