Comissão Nacional da UNESCO

Ministério dos Negócios Estrangeiros

Mensagem da Diretora-Geral da UNESCO por ocasião do Dia Internacional Nelson Mandela

mandela

18 de julho de 2018

Em 2018, a comunidade internacional celebra o centenário do nascimento de Nelson Mandela, campeão da luta contra o apartheid. Nelson Mandela permanecerá na nossa memória como um dos grandes homens políticos do século XX. Cinco anos após a sua morte, o mundo sente a falta da coragem e da visão deste combatente pela liberdade, líder e unificador que mudou a história.

No seu célebre discurso proferido em 1964, por ocasião do Julgamento de Rivonia, na África do Sul, Nelson Mandela afirmou “Acalentei o ideal de uma sociedade democrática e livre em que todas as pessoas pudessem viver juntas em harmonia e com oportunidades iguais. É um ideal pelo qual desejo viver e que espero realizar. Contudo, é também um ideal pelo qual estou preparado para morrer”.

 A sua missão, enquanto combatente revolucionário do apartheid, era alcançar a igualdade e a liberdade para todas as mulheres, homens e crianças. Defendeu os direitos fundamentais de todos os seres humanos, sem distinção de sexo, nacionalidade ou raça. Foi por defender este mesmo ideal que Nelson Mandela esteve preso durante 27 anos. Apesar da sua reclusão, continuou a acreditar nos seus ideais e continuou a pô-los em prática, após a sua libertação.

Em 1990, disse estar convencido de que “aqueles que realmente fazem história são homens e mulheres comuns [...]; a sua participação em todas as decisões sobre o nosso futuro é a única garantia de genuína democracia e verdadeira liberdade”.

Em 2018, esses homens e essas mulheres somos nós. Temos uma grande tarefa pela frente para garantir que ninguém é deixado para trás e para dar continuidade ao trabalho deste grande homem. Este ideal está no cerne da Agenda 2030 para o Desenvolvimento Sustentável. Ao adotar esta Agenda, os Estados Membros da UNESCO comprometeram-se a erradicar a pobreza, combater as desigualdades, construir sociedades pacíficas, inclusivas e resilientes, e assegurar o futuro do planeta e o bem-estar das gerações futuras.

 Neste contexto, nunca a missão da UNESCO foi tão premente. A Nossa Organização continua empenhada na cooperação internacional, baseada nos direitos e responsabilidades de todas as nações.

A vida de Mandela continuará a ser uma grande fonte de inspiração para os defensores dos direitos fundamentais, independentemente de fronteiras e gerações.

Audrey Azoulay