tmb houphouet boigny prize 294x166
10 de novembro 

A Agenda 2030 para o Desenvolvimento Sustentável assenta num compromisso, o de fazer com que “ninguém fique para trás”. Hoje como ontem, o controlo do conhecimento leva à desigualdade, à exclusão e ao conflito social. À medida que o nosso planeta enfrenta um número cada vez maior de desafios, nomeadamente as alterações climáticas, a perda de biodiversidade e os desastres naturais, o desenvolvimento do conhecimento científico nunca foi tão importante. Para poder fazer frente a estes reptos, temos de aumentar o investimento na ciência, na investigação e na tecnologia, em particular na perspetiva do desenvolvimento de ideias inovadoras.

A natureza global destas questões apela a uma resposta global – uma resposta que envolva todos os membros de todas as sociedades de todo o mundo. Esta abordagem inclusiva inscreve-se no coração da Agenda 2030 e dos Objetivos de Desenvolvimento Sustentável. A participação é também uma característica-chave da própria ciência, na qual a integração de múltiplas disciplinas no processo de procura de soluções e a divulgação da investigação ajuda a gerar novos conhecimentos.

A ciência aberta visa colocar a informação científica, o conhecimento e os dados científicos à disposição de todos. O aumento do acesso à informação, permitirá oferecer a todos os cientistas, inovadores, engenheiros, empresários e cidadãos a possibilidade de observar, participar e criar conhecimento em todos os domínios da ciência, da tecnologia e da inovação. Esta abordagem não só fomenta a transparência e a responsabilidade, como contribui para criar uma igualdade de oportunidades para todos, incentivando o compromisso com a cultura científica. Para chamar a atenção para estes objetivos, a UNESCO escolheu o tema “Ciência aberta – não deixar ninguém para trás” para o Dia Mundial da Ciência ao Serviço da Paz e do Desenvolvimento Sustentável deste ano.

A UNESCO está disposta a liderar este diálogo mundial para garantir que a ciência aberta desenvolve todo o seu potencial. A nível internacional, a ciência aberta pode contribuir para colmatar os fossos em matéria de ciência, tecnologia e inovação, fazendo com que o progresso científico e tecnológico beneficie toda a gente e não deixe ninguém para trás.

  • Partilhe