Comissão Nacional da UNESCO

Ministério dos Negócios Estrangeiros

TIC na educação

 

AS TIC NA EDUCAÇÃO

 

 @UNESCO

 

A qualidade dos professores e sua formação profissional e contínua permanece central para uma educação de qualidade.

Atualmente o número e a qualidade dos professores, e a sua formação enfrentam sérios desafios em todo o mundo.

A situação deve ser corrigida no momento em que o mundo precisa de 9,1 milhões de novos professores para atingir metas de educação internacionalmente acordados nos ODM para 2015.

A UNESCO acredita que esses desafios podem ser enfrentados através de uma abordagem holística e sistêmica de desenvolvimento de sistemas educativos e numa formação de professores motivados e capacitados de forma a também serem envolvidos em competências TIC.

A divulgação e utilização de tecnologias de informação e comunicação (TIC) nas escolas passou a ser visto pelos formuladores de políticas de educação como uma oportunidade significativa. Eles são atraídos pela perspetiva de que as TIC podem melhorar o desempenho do aluno, ampliar o acesso à escolaridade, aumentar a eficiência e reduzir custos, preparar os alunos para a aprendizagem ao longo da vida, e formá-los para uma força de trabalho globalmente competitivo.

O Agrupamento de Escolas Aquilino Ribeiro localizado na freguesia de Porto Salvo no concelho de Oeiras, é um agrupamento com 1722 alunos, desde o pré-escolar até ao 12º ano. Em 2009 foi elaborada uma proposta para a escola se tornar um território de intervenção prioritária, constatando-se que a multiculturalidade na escola era base de conflitos e não um elemento de enriquecimento da comunidade escolar. A partir deste pressuposto elaborámos um projeto de Educação Intercultural intitulado "Terra Colorida" desenvolvendo atividades de educação intercultural para uma melhor integração dos alunos na comunidade escolar.

Tendo 83% da população escolar nacionalidade portuguesa, na altura 14% dos alunos eram de ascendência africana, como 36% dos Encarregados de Educação. A primeira meta do projeto educativo em 2009 era "Contribuir para a formação de uma cidadania ativa, dentro de uma cultura para a paz, para a solidariedade e para o diálogo intercultural" foi neste contexto que nasceu o projecto "Terra Colorida". O projeto era aberto a toda a comunidade escolar, e principalmente a professores que quisessem trabalhar "a favor" da diversidade usando os princípios da educação intercultural - incentivando o respeito pelos povos e culturas do mundo, valorizando os saberes individuais, promovendo o reforço da auto-estima e a integração na escola e na sociedade.

A partir do ano letivo 2009/2010 e ainda em 2010/2011 foram elaboradas atividades e materiais pedagógicos em formato digital facultados em maletas pedagógicas digitais disponíveis nos computadores da escola para serem utilizados pelos directores de turma na aula de formação cívica. Um exemplo foi o mês dos Direitos Humanos, começando a 16 de novembro com o dia da Tolerância e terminando com o dia 10 de dezembro. Nesta pasta havia documentos oficiais da ONU, livros digitais e textos informativos para serem explorados pelo professor e pelos alunos numa aula dedicada ao tema. Estas atividades foram desenvolvidas em colaboração com o núcleo UNESCO da escola e com a Biblioteca/Centro de Recursos.

A sua influência foi alargada às aulas de língua portuguesa no 2º ciclo trabalhando lendas dos países lusófonos. Com o apoio da Direção e aproveitando o facto de a maioria das famílias de origem africana serem de Cabo Verde, os professores do projeto têm promovido contactos com escolas de Cabo Verde para estabelecer um intercâmbio escolar. Um passo importante nesse sentido foi  a participação da Escola, precisamente com o projeto "Terra Colorida", no Encontro de Escolas Associadas de Cabo Verde em Novembro de 2011, na Cidade da Praia.

O projeto ainda se encontra em atividade com o Núcleo da UNESCO e Terra Colorida - nomeadamente no que diz respeito aos Direitos Humanos e, este ano, em especial com a equipa do Projecto Comenius "Connecting Schools, Building Citizenship", no qual são também abordados temas como o Holocausto, a Mulher trabalhadora, o Papel dos rapazes e das raparigas, os Ciganos, etc., em contexto europeu.